Aí é outra história

A Estátua do Bellini É do Bellini?

Facebooktwitterpinterest

 

Saudações, amigos do Fim de Jogo. Começamos aqui uma nova coluna, que tem por objetivo esclarecer alguns mitos que circulam pelos papos de torcedores, e até mesmo, pasmem, em livros e matérias de jornais.

Seremos uma espécie de “Caçadores de mitos”, como naquele famoso programa da TV. Caso você tenha alguma curiosidade, alguma dúvida sobre algo relacionado à História do Futebol, escreva para o Fim de Jogo – contato@fimdejogo.com.br – e faça a sua pergunta. Teremos o maior prazer em buscar respostas para a sua dúvida.

Digam aí qual torcedor no Rio de Janeiro não marcou encontro com a turma na “estátua do Bellini”, aquela que fica diante da rampa principal do Maracanã? É um ótimo ponto de referência, não é? Mas será que aquela estátua é realmente do Bellini, o capitão da Seleção Brasileira na Copa de 1958?

A resposta a esta palpitante pergunta é: não. Temos aí um belo exemplo de mito do futebol.

A estátua que está diante do principal portão do Estádio Mário Filho tem por nome oficial: “Monumento aos Campeões do Mundo”. Seu escultor foi o professor da Escola de Belas Artes Matheus Fernandes, autor de outras duas estátuas relativamente conhecidas, situadas em praças do Rio: a que homenageia Oswaldo Diniz Magalhães, pioneiro da Rádio-Ginástica no Brasil, localizada na Praça Saens Peña, e a de Carmem Miranda, assentada no bairro Ilha do Governador, ambas no Rio de Janeiro.

Mas se a estátua não é do Bellini, quem está retratado no monumento?

Aí é que está. Na minha opinião – e há indícios fortes disso – o escultor não quis homenagear ninguém especialmente. A estátua é uma alegoria à conquista do campeonato mundial. Ela simboliza um jogador de porte atlético, representando os jogadores brasileiros que venceram a Copa da Suécia. As pessoas passaram a chamá-la de Bellini por conta do famoso gesto, que virou símbolo, levantando a taça ao mundo. Mas atentem que o capitão de 1958 levantou a taça com as duas mãos e na estátua ele está erguendo o troféu com uma mão só (na outra mão, a figura traz uma bola).

O tempo se incumbiu de trazer versões para a identidade da estátua. Como Abrahão Medina, dono das lojas “O Rei da Voz” – uma das patrocinadoras do monumento – era grande admirador de Francisco Alves, há quem diga que o rosto da figura esculpida lembra o célebre cantor, com seus cabelos untados de óleo Glostora e penteados para trás.

Vejam bem: o zagueirão Bellini, em 1958, tinha cabelos um tanto rebeldes, e ele nunca apareceu nas fotos com penteado de “amante latino”, como está na estátua. Há ainda uma outra versão para jogar mais interrogações neste enigma: o rosto no monumento seria do jornalista Hamilton Sbarra, que, de fato, era idêntico ao que foi esculpido por Fernandes. E para corroborar esta tese, vejam o que o próprio Sbarra afirmou em entrevista: “Certa vez, ele, Matheus Fernandes, pediu uma foto minha, dizendo que precisava de um rosto com perfil greco-romano, como julgava ser o meu. Fiquei desconfiado, mas atendi ao pedido.” Basta olhar a comparação das imagens para ver que faz todo sentido esta versão.

A estátua, como pode ser visto na placa que está em sua base, foi patrocinada pela indústria de eletrônicos Standard Electric, pela cadeia de lojas Rei da Voz e pelo Jornal dos Sports. E nos exemplares do JS da época podemos acompanhar todo o processo de construção e a inauguração do monumento em 13 de novembro de 1960. É importante dizer que em todas as notas e matérias do jornal, desde que foi resolvida a escultura da estátua, em momento algum foi citado ser a figura do Bellini.

Na edição de 7 de novembro do JS, aparece uma foto da estátua em miniatura, com os campeões Bellini, Castilho e Orlando e a legenda: “Vendo-se ao fundo, ainda em barro, parte do atleta que simbolizará o footballer indígeno.”
Footballer é como chamavam jogador de futebol em inglês. Curioso é o “indígeno”…

No dia da inauguração, o JS, ufanisticamente, assegurava que todos os jogadores da Copa da Suécia estariam no Maracanã para “perpetuar o maior feito do esporte bretão em todos os tempos”, o que não aconteceu. Nas edições dos jornais posteriores à inauguração, unanimemente citavam a estátua como “Monumento aos Campeões do Mundo”.

O capitão Bellini, inclusive, discursou, agradecendo a homenagem em nome dos jogadores, prevendo que o monumento “ficará para sempre diante de milhares de olhos e ao mesmo tempo que lembrará o feito da Suécia servirá de incentivo para que feitos idênticos sejam alcançados pelos jogadores football da nossa terra”. Em nenhum momento mencionou que ele estava retratado na estátua.

Certamente a estátua não retrata o grande zagueiro capitão do selecionado de 1958, mas o povo, cuja voz, já se disse ser a de “Deus”, rebatizou o monumento e assim ele será chamado enquanto ali estiver. A estátua ficará ali para sempre? Pode ser que em alguma outra reforma futura um “gênio” dê a ideia de retirá-la de onde está, mas aí é uma outra história…

 

Facebooktwitterpinterest

Post Author: Marco Santos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.