Playoffs na NBB: Flamengo Vence Franca e Força o Jogo 4

Facebooktwitterpinterest

Flamengo e Franca fizeram o jogo 3 no Maracanãzinho para 4.629 pessoas presentes no que poderia ser o jogo do título para Franca. Porém, com a vitória por 81×75, o rubro-negro provoca um quarto jogo em São Paulo para decidir o campeão do NBB 2022. (fotos Celso Pupo)

O Jogo

A equipe paulista começou o jogo super focada e eficiente, sufocando o Fla e abrindo vantagem de sete pontos no placar logo de cara. O rubro-negro ensaiou uma reação ainda no 1º quarto, chegando até a empatar a partida, mas o Franca foi perfeito no 2º quarto, sendo seguro na defesa e decisivo no ataque.

No final do 3º quarto o Flamengo acertou o jogo e fez fluir sua estratégia, o que deu espaço para os seus talentos individuais brilharem, como Dar Tucker, Faverani e especialmente Olivinha, que viveu uma noite iluminada. Foram 27 pontos do ala do Flamengo no jogo em cestas de três, lances individuais e arremessos livres.

No meio da partida, Olivinha foi atingido na cabeça, sem querer, por Faverani, seu colega de equipe. O ala teve que ser retirado de quadra para estancar o sangramento, mas felizmente retornou à quadra e acabou escolhido como o craque da partida. A torcida vibrou com ele ao marcar uma cesta de três, depois de retornar e com a toca branca protetora na cabeça.

Alívio Rubro-Negro

O final não poderia ser mais que feliz para os rubro negros que foram torcer pelo time, além é claro do alívio por ainda estar vivo na decisão. Agora o Mais Querido decidirá fora de casa, se vencer Franca em São Paulo, acontecerá o 5º jogo da série melhor de cinco em São Paulo também.

Torcida

Vale Tudo

Mesmo com a presença das ginastas Jade Barbosa e Flavinha estarem presentes no jogo, foi Olivinha que deu cambalhota em quadra. No último quarto, quando os nervos já estavam à flor da pele, e a arbitragem enfrentava problemas com discussões, Lucas Mariano do Franca e Olivinha se estranharam numa disputa de bola onde o ala do Flamengo acabou sendo arremessado. O juiz deu falta pessoal de Olivinha e falta antidesportiva de Mariano.

Era contar os segundos, que no basquete duram uma eternidade e esperar o fim da partida. Vitória rubro-negra e muita comemoração em quadra e no twitter.

 

Por Paulo Karam – repórter do Fim de Jogo, integrante do projeto da DC Press / Fimdejogo e da Universidade Veiga de Almeida. Supervisão Cris Dissat e Daniela Oliveira

Facebooktwitterpinterest

Post Author: Cristina Dissat

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.