Fluminense: a Taça Guanabara e a Libertadores

Facebooktwitterpinterest

Os últimos dias têm sido de tranquilidade para os torcedores do Fluminense, após um início de temporada onde até o treinador Abel Braga foi contestado. Essa semana, os tricolores respiraram e curtiram as vitórias dos últimos dias. Primeiro, com o título da Taça Guanabara, torneio que começou cheio de adversidades e terminou com o troféu na mão. Depois, com um triunfo importante frente ao Olímpia, pela Pré-Libertadores.

Início complicado

Quem não se recorda dos primeiros jogos na Ilha do Governador no início do ano? Foram vaias, críticas e muita reclamação. A paciência habitual com Abel tinha desaparecido, mas o  Fluminense se estruturou, deu passos importantes, e tornou-se mais consistente em campo, o que se refletiu no apoio direto das arquibancadas.

Se alguém pensou que os tricolores estavam preocupados em conquistar algo no Estadual, estavam errados. O foco sempre foi a Libertadores. Mas se o título da Taça Guanabara veio, por que não comemorar? E foi isso que aconteceu no último sábado, em jogo disputado no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda.

Como foi no Raulino de Oliveira?

A vitória em cima do Resende veio com facilidade, por um placar confortável de 4 a 0. Dominando as ações desde o apito inicial, foi premiado com o gol relâmpago do colombiano John Arias, logo no primeiro minuto. Martinelli, Nonato e Heitor (contra) marcaram os outros gols.

Na hora de erguer a taça, o ídolo Fred, mesmo fora da partida, foi chamado pelo zagueiro e capitão Luccas Claro para levantar seu primeiro caneco desde seu retorno ao clube. Outro fator marcante da conquista, ficou por conta do agradecimento feito pelo treinador Abel Braga em frente a torcida. Ao levantar a taça, ele olhou para o céu e agradeceu a seu filho João Pedro Braga, falecido em 2018.

Depois, em entrevista para a FLUTV, ele mencionou a ligação com a torcida: “É uma relação muito forte. Mesmo quando eles (torcedores) não gostam, perdem, vaiam, reclamam da substituição, mas minha identificação com eles é grande. É muito real. Velei  meu filho no Salão Nobre do Fluminense. Então o Fluminense para mim é alma. Simplesmente isso. Tudo aquilo que represento como ser humano, como caráter, idoneidade. Tudo está incluído na alma. Esta alma o Fluminense me dá.”

O problema com Fred abriu caminho para a entrada de German Cano como titular e isso se tornou um elemento importante no resultado do time nas competições. Ele ganhou espaço no coração dos torcedores.

 

Luiz Henrique, xodó da torcida, também postou foto no Instagram comemorando o título. “Feliz demais por esse primeiro título, parabéns a todos e obrigado a torcida pelo carinho, seguimos por mais, só o começo de uma brilhante temporada. 🙏🏾🏆 ”

Com a palavra, o torcedor

Ansiedade? Lógico. Confiança? Será? O torcedor tricolor e  técnico em informática Alexandre Medeiros de Sá, que atualmente mora em Fortaleza/CE, esteve em Volta Redonda, e vibrou com a vitória tricolor. “Me mudei do Rio de Janeiro há seis anos e estava sentindo muita falta dos jogos. Fazia bastante tempo que não ia a um estádio. Aproveitei o feriado de Carnaval para visitar minha cidade e de sobra curtir a conquista do Fluzão”, contou.

Ele disse ainda que acredita em voos mais altos da equipe nos demais torneios disputados este ano. Imagina se o torcedor não falaria de esperança em contratações: “Acredito que com a chegada de mais uns quatro ou cinco reforços, iremos competir em igualdade de condições no Brasileiro e na Libertadores também. O Abel vem fazendo um grande trabalho, deu padrão e intensidade a essa equipe.”

Público e renda 

O número de torcedores nos jogos do Fluminense tem oscilado muito em função das opções necessárias, já que não tinha o Maracanã. Lá no Raulino de Oliveira foram quase 7 mil presentes: público pagante de 6.336, 6.936 presentes e renda de R$168.940,00. Para a entrega de uma Taça é pouco, mas a espera vai acabar e o Maracanã está de volta.

Fotos – Mailson Santana/Fluminense FC

Por Bruno Sadock, Antônio Brenna e Lucas Sobral – repórteres do Fim de Jogo, integrantes do projeto da DC Press / Fimdejogo e da Agência UVA. Supervisão Cris Dissat e Daniela Oliveira.

 

Facebooktwitterpinterest

Post Author: Equipe Fimdejogo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.