Fluminense 2 x 2 Ceará com direito a coruja na arquibancada

Facebooktwitterpinterest

A cada jogo que passa – e que conseguimos aprovação no credenciamento – vamos nos acostumando um pouco mais com novas necessidades em função da pandemia. Nenhuma possibilidade de achar normal ver arquibancadas vazias, mas ter a certeza que é preciso esperar. (fotos do jogo, Celso Pupo)

Muita Paciência. É possível?

Andando pelos corredores do Maracanã vazios e estranho, do mesmo jeito que surpreende  olhar para as marcações de distanciamento no chão, que estão sendo colocadas, para eventual volta dos torcedores. Como se isso fosse possível. Como ouvi, recentemente, futebol é aglomeração.

Temos que ter paciência. Só que essa palavra não faz parte do vocabulário de torcedores. Imaginem então quando os tricolores viram o Fluminense recuar depois do primeiro gol, de Luiz Henrique, e ver o Ceará crescendo na partida. Em geral, o restante fica fácil de imaginar. Primeiro veio o empate, com contra do Hudson, e depois o gol da virada com Vinicius.

Na falha do Digão, no segundo do Ceará, foi bom (mesmo sendo um momento de irritação dos torcedores) ver Muriel ir até o meio de campo tentar animar os colegas. Bom gesto.

Mas, muitos gols têm saído no finalzinho da partida e do empate do Fluminense foi assim, marcado por Danilo Barcelos. O gol veio logo depois do rasante de uma coruja no Maracanã, que depois foi pousar em uma das bandeiras da Torcida Tricolor, no setor Sul. Quem sabe trouxe sorte.

 

Outros Hábitos

Com o passar das semanas, as coisas vão mudando nas nossas rotinas, como o horário de chegada ao Maracanã, a subida pela rampa monumental sem ninguém até o gramado e até a sinalização que o jogo está acabando.

Antigamente, em dias normais, a gente olhava para os repórteres atrás dos gols e quando eles se dirigiam – pela lateral – para o centro do gramado, era sinal que o intervalo estava próximo. Agora, é o barulho que sinaliza – no início era difícil de identificar – é o pessoal da higienização. Parecendo que saíram de uma nave espacial, lá vem ele com aquela roupa esquisita para a limpeza de bancos de reserva e áreas próximas.

Assim vamos levando, mudando hábitos, encontrando saídas para este momento, como levar o torcedor pelos corredores até a entrada em campo. Pelo menos, uma imagem que – sabemos – acalma muito o coração.

Facebooktwitterpinterest

Post Author: Cristina Dissat

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *