Flamengo consegue vitória no jogo com o Goiás

Facebooktwitterpinterest

A torcida do Flamengo tinha deixado para trás uma situação que era bem recorrente há tempos atrás, e estava só na memória. O time jogava bem os dois tempos e não havia queda de rendimento tão significativa como estamos acompanhando agora. Parece que no Brasileirão é bom escolher em qual tempo será melhor e se não fizer gol nele… a coisa complica.

 

Mesmo com vitória sobre o Goiás, com gol de Pedro, o que se ouviu quando o juiz apitou foram vaias. Lógico que os três pontos foram muito importantes nesse momento, mas não dá para dizer que só isso resolve. Quando o jogo acabou além das vaias, o grito sobre “não é mole não, pra jogar no Mengo tem que ter disposição”.

Neste sábado, notamos a torcida mais confiante, mais alegre, principalmente no início da partida e seguiu assim no primeiro tempo. Ouvimos aplausos para o goleiro Hugo, que agradeceu ao pessoal e mais uma vez vaias na hora da escalação, quando apareceu o nome do técnico.

Dividindo com vocês, acompanhei o primeiro tempo no Maracanã e a reação da vacina contra Covid-19 me derrubou e tive que ir embora. Como moro do lado, cheguei rápido e fiquei ouvindo a torcida. Geralmente temos o grito de alívio ou comemoração quando o juiz apita, mas foram as vaias que escutamos. Um termômetro do momento complexo que passa o rubro-negro. Venceu? Sim, mas falta segurança. (fotos de jogo, Celso Pupo).

Público no Maracanã

Em geral, quando se prevê um público grande no Maracanã, o assunto é comentado durante a semana, observamos filas em bilheterias ou até parcial de vendas. Como estas questões não aconteceram, imaginamos que o público seria médio, em função do momento tenso que o Flamengo está passando.

Só que o pessoal foi chegando, chegando e chegando e o público foi muito bom com 51.692 presentes, 47.680 pagantes e renda de R$ 1.975.192,50.

A passarela do metrô encheu, mas só quando faltava uma hora para o jogo e do alto, vimos uma fila enrolada na bilheteria 1 do Maracanã. O pessoal resisti, continua marcando presença, mas também cobrando o time e como diz a música nas arquibancadas: “Mesmo no pior momento, vou te apoiar até o final”.

Facebooktwitterpinterest

Post Author: Cristina Dissat

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.