Com tranquilidade, Flamengo Vence o América/MG no Maracanã

Facebooktwitterpinterest

Mesmo com desfalques importantes, o Flamengo não teve dificuldades para alcançar a vitória na tarde deste domingo, no Maracanã, diante do América/MG. Com gols de Bruno Henrique e Rodrigo Muniz, o rubro-negro venceu por 2 a 0, pela terceira rodada do Brasileirão 2021. (Crédito das fotos: Rudy Trindade)

Desde os primeiros minutos de jogo, o Flamengo impôs seu ritmo e teve o total controle da partida. Logo no início, o árbitro marcou um pênalti a favor do rubro-negro. O Var entrou em ação e não confirmou a penalidade. Bruno Henrique estava impedido.

O engraçado era que, enquanto o lance era analisado, o banco de reservas do América ficava perguntando para repórter que estava na beira do campo se o pênalti tinha sido confirmado.

– Ele deu, moça? Ele deu o pênalti?

O tipo de coisa que não conseguíamos ouvir antes, mas agora dá para ouvir isso e mais um pouco.

Mas o gol dos cariocas não demorou a vir. Depois de boa jogada de Vitinho, Bruno Henrique abriu o placar.

O domínio do Flamengo seguiu no segundo tempo. Eram inúmeras oportunidades de ampliar o placar, e o segundo veio novamente em boa jogada de Vitinho, que Rodrigo Muniz aproveitou e fechou o placar. Gerson ainda teve a chance de marcar o terceiro, mas a bola foi na trave.

Os Diego’s do Flamengo

Todo mundo sabe que Diego Alves e Diego Ribas são referências e líderes no time do Flamengo. Neste domingo, quem esteve no Maracanã pôde conferir um pouquinho dessa liderança de ambos. Os dois falaram e incentivaram o time o jogo inteiro.

Durante toda a partida se ouvia Diego Alves orientar os companheiros: “Vai, sai, pega, marca”.  No primeiro tempo, o goleiro chegou a ir até o meio de campo, enquanto o Flamengo estava no ataque, para “resenhar” com Maurício Souza, que substituiu Rogério Ceni que está com Covid-19, sobre posicionamento e etc.

O Ribas não era diferente. “Cantou” o jogo inteiro, incentivava os jogadores, chamava a atenção quando tinha que chamar…

Não é à toa que os dois revezam a braçadeira de capitão.

Quem “sofreu” foi Michael. O jogador era o que mais tinha o nome gritado não só pelos Diegos, mas também pelos dirigentes e até os jogadores do banco de reserva. O jogo inteiro foi: “Vai, Micha”, “Boa, Micha”.

As Comemorações

 

Facebooktwitterpinterest

Post Author: Patricia Bernardo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.