Cerimônia de Abertura do Pan 2023 no Chile

Facebooktwitterpinterest

Agora sim, os Jogos Pan-americanos foram abertos oficialmente. O dia era para se dirigir ao Estádio Nacional. Por causa dos preparativos que envolvem a imprensa, com briefing, localização e todas as orientações para a cobertura, saímos cedo do centro (onde estamos hospedados, que é a rede da imprensa) e seguimos as opções recomendadas de comprar bilhete do metrô para a volta.

Caminho tranquilo e ao chegarmos ao estádio, por volta das quatro da tarde, já havia gente chegando e ficando na fila, já que os portões ainda não estavam abertos.

Esquenta para o Público

Antes do início oficial, o esquenta com DJ ainda foi com dia claro, com o ensaio para envolver o público. A Força Aérea Chilena fez desenhos no céu e voos sobre o estádio.

 

Nesse horário, ainda tínhamos um público pequeno dentro do estádio, que foi chegando aos poucos. Acompanhamos alguns tweets com relatos de dificuldades para o deslocamento. No que acompanhamos, a chegada transcorreu sem problemas.

Como acontece nas cerimônias de jogos olímpicos, o país sede traz um pouco da cultura. Participaram os grupos: Agrupación Sariri, Kintulafkken, Ballet Folclórico Antumapu, Agrupación cultural rapanui Mana ma’ohi, Tumbe afrochileno, Ballet Folclórico Bafopal, Bafopal, Agrupación Folclórica Senderos de Chile e o Ballet Folclórico Estrella de Chile. (fotos Celso Pupo/DC Press)

A área central do palco, feita de grandes blocos, se juntou depois das primeiras apresentações, formando o mapa do Chile.

Entre pontos de apoio do público, muitos aplausos no anúncio da presença do presidente do Chile, Gabriel Boric, que estava na área nobre do Estádio Nacional. Outra grande manifestação forte foi no momento da pira olímpica para os tenistas campeões olímpicos do tênis Nicolás Massú e Fernando González.

Show de Drones

Quase no momento que a pira foi acesa, vieram chegando pelo céu, 300 drones formaram várias imagens no céu.

A Delegação Brasileira

No desfile das delegações, uma recepção calorosa para o Brasil, que teve como porta-bandeiras Luisa Stefani e Fernando Scheffer. Os medalhistas olímpicos em Tóquio foram os escolhidos pelo Comitê Olímpico do Brasil.

Nas palavras do Ministro do Esporte, Jaime Pizarro, o Chile é agora e é o futuro. “Não é o fim do mundo e sim onde começa o mundo. Bem vindo a nossa casa”. Registros do presidente Gabriel Boric e do presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach.

Facebooktwitterpinterest

Post Author: Cristina Dissat

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *