Botafogo e a Entrega da Taça de Campeão da Série B

Facebooktwitterpinterest

Um pouco de susto no placar com o empate de 2 a 2 entre Botafogo x Guarani, na última rodada do Brasileirão Série B de 2021, no dia da partida em que o alvinegro recebeu a Taça de Campeão. (fotos Celso Pupo)

Nas arquibancadas um pouco de apreensão sim, mas seguida de gritos “É campeão, É campeão” para acalmar. Afinal era um jogo festivo, um momento para o botafoguense respirar e saber que está de volta à série A do Campeonato Brasileiro em 2021. E assim foi.

 

Quatro gols, com dois pra cada lado – Navarro e Marco Antonio, pelo Botafogo, e Lucão e Ronaldo Alves, pelo Gurarani. E foi por pouco que o placar não mudou nos minutos finais, com “quases” dos dois lados.

Público Presente

O público foi excelente, mas ultimamente anda difícil entender melhor a divulgação de parciais antes dos jogos – foram 33.853 presentes, 31.594 pagantes e renda R$ 1.232.165,00.

Estádio cheio, festa na entrada do time e algumas reclamações normais senão não é torcedor. (fotos de jogo Celso Pupo). Ruim é quando esbarra em torcedor dentro da área de imprensa e que reclama porque está filmando a torcida. Mas deixo essa e outras questões complicadas para um post específico sobre isso.

Entrega da Taça

Os preparativos começaram já no início do jogo, com a montagem do palco para a entrega da Taça. E atendendo às reclamações da Torcida no setor Oeste Inferior, abaixaram a estrutura do palco que ia ficar, justamente, na frente do jogo. Ai, não dá.

Palco no gramado, entrega de medalhas, taça erguida, papel picado e tudo que tinham direito, incluindo a volta Olímpica.

A surpresa depois da entrega foi o pedido de casamento de Gatito, com telão com mensagens. Ajoelhou e com as alianças pediu a noiva em casamento.

 

Chegada do Time

Os preparativos começaram cedo e desde o meio-dia já tinha gente no entorno do Estádio Nilton Santos para recepcionar o time. A complicação no entorno é que são ruas muito estreitas e isso dificulta o acesso e circulação.

Também optamos por adiantar a ida para lá para evitar a confusão na entrada do estádio e deu certo, porque entramos e ficamos em locais para registrar a chegada. Mas não foi tão simples, ou melhor, foi até o ônibus do Botafogo entrar no estádio.

Rua de fogo, muita cantoria e torcedores subindo no teto do ônibus (isso está virando moda e é preciso cuidado) e de repente Chay apareceu no alto e foi ovacionado pela torcida.

Confusão e Invasão

O ônibus do Botafogo passou e observei orientações do policiamento para segurarem o do time do Guarani, até que a área estivesse liberada. Era impossível passar por ali.

Fiquei próximo ao acesso do Setor Norte, atrás de uma das pilastras, quando ouvi as primeiras bombas, seguido da correria dos torcedores. Grades derrubadas, cheiro forte de bombas de efeito moral e a solução foi correr também. Não teve jeito, passei por baixo da catraca e corri para dentro do estádio. Quando olhei para trás, a invasão aconteceu, com centenas de pessoas entrando, fugindo da confusão.

Muitos seguranças e policiamento deslocados para lá para segurar a confusão. Não tinha mais clima para andar nos arredores como sempre fazemos. Ouvimos mais bombas durante um bom tempo do lado de fora. Aproveito para agradecer o carinho do pessoal da segurança que me ajudou na hora do tumulto.

Tivemos outros problemas, mas deixa pra depois. É preciso contar sim, mas não nesse post.

 

Facebooktwitterpinterest

Post Author: Cristina Dissat

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.