A prata no tênis e com emoção nos Jogos em Tóquio

Facebooktwitterpinterest

Se você ainda acha que assistir a uma partida de tênis é devagar ou meio lento, talvez tenha acompanhado apenas pela televisão, mas mesmo que tenha dúvidas, esse jogo entre Luisa Stefani e Laura Pigossi foi que acabar com o coração da gente.
A vitória das meninas, no jogo com Elena Vesnina e Veronika Kudermetova, vice-campeãs de Wimbledon, garantiu uma medalha inédita de bronze, foi incrível e pra encher todo mundo de orgulho.

31.07.2021 – Jogos Olímpicos Tóquio 2020 – Tênis Duplas Feminino. Na foto as atletas Luisa Stefani e Laura Pigossi após a conquista da medalha de Bronze inédita. Foto:Rafael Bello/COB

Já ouvi várias vezes sobre acharem que assistir tênis é lento, mas um conselho, esperem tudo isso passar e encontrem um dia para acompanhar um jogo no próximo Rio Open. Vocês podem ter certeza que a opinião vai mudar.

Mais uma modalidade que as mulheres respiram e partiram para cima. Elas entraram no último minuto possível para participar das Olimpíadas de Tokyo e vão voltar para o Brasil com uma medalha inédita na história do tênis brasileiro.

31.07.2021 – Jogos Olímpicos Tóquio 2020 – Tênis Duplas Feminino. Na foto as atletas Luisa Stefani e Laura Pigossi após a conquista da medalha de Bronze inédita. Foto:Rafael Bello/COB

Tênis Brasileiro em Tóquio

Foi um feito histórico para o tênis brasileiro, com enorme repercussão da primeira medalha para o Brasil nos Jogos Olímpicos. Somente nas redes sociais, seu crescimento foi acima dos 200%. Antes do início da Olimpíada, Luisa tinha menos de 14 mil seguidores no Instagram e já ultrapassou 53 mil.

“Não estou no Brasil, mas todo mundo está falando que está incrível, que passou nos canais abertos de televisão. Todos comentando. Na verdade, desde que eu cheguei aqui me arrepio todos os dias”, disse Luisa.

Depois de dormir pouco, esperando o grande momento, elas brincaram dizendo que o mundo podia parar ali e congelar. Luisa tem 23 anos e vem fazendo história no tênis feminino nacional. Além deste resultado olímpico, ela é a melhor ranqueada do País, com o 23º lugar, desde que o sistema da WTA foi criado em 1975, somando dois títulos e mais seis finais.

Em 2020, conquistou o WTA 125 de Newport Beach, na Califórnia e chegou as oitavas de final do Australian Open. Após a quarentena, comemorou o título do WTA de Lexington, nos Estados Unidos. Terminou o ano como a 33ª do mundo, primeira brasileira no top 40 em mais de três décadas

Laura é atleta da AD In Tennis Academy e comemorou aniversário em plena Olimpíada. “Foi uma semana mágica, não conseguiria definir com qualquer outra palavra. Vivi sensações que nunca tinha sentido em minha vida. Nunca joguei tanto com a alma do meu coração. Foi uma semana espetacular. Eu e a Luísa Quase #OURAMOS. Escapou por um pouquinho”, disse Pigossi.

A tenista desembarca na terça-feira em Barcelona e inicia a preparação ao lado do treinador German Puentes, para sua próxima gira de torneios que serão na Espanha em Ourense, a partir do dia 16 de agosto, e Vigo, a partir do dia 23. Ela disputa o a chave de simples e de duplas dos eventos com premiação de US$ 25 mil e 65 pontos no ranking mundial feminino da WTA.

Fotos: Gaspar Nobrega/COB) / Wander Roberto/COB) / Rafael Bello/COB) /  Julio Cesar Guimarães/COB)

Facebooktwitterpinterest

Post Author: Cristina Dissat

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.