Brasileirão 2019: Botafogo 2 x 0 Avai

Facebooktwitterpinterest

Agora a Torcida do Botafogo vai precisar de mais uma hora – no mínimo – para respirar e ver se o coração volta a bater normalmente. Porque não foi fácil não. Era uma mistura de reações, variando com apoio, vaias, cantorias, reclamação das opções de Valetim, pressão nos ataques do Avaí e por ai vai. O clima deu uma melhorada quando os botafoguenses insistiram e pediram Diego Souza, que acabou dando mais energia ao time e marcou o gol de pênalti.

O gol do Botafogo  – contra – saiu na primeira etapa, mas depois disso o time recuou muito. E não tem coisa que irrite mais o torcedor, durante a partida, do que essa travada em um momento que precisa d vitória e ir pra frente.

Além disso, outro grande problema foi parar e pensar. Aconteceram em vários momentos, quando até de frente para o goleiro Vladimir, tinha que parar e a jogada não seguida. Jogadas decisivas que aconteceram, principalmente, no primeiro tempo que poderiam ter feito a diferença entre a tranquilidade. Mas foi sofrimento. (fotos Celso Pupo)

A Chuva e o Público

A chuva já tinha desabado pela manhã e não se sabia como seria à noite. No Maracanã, por volta das cinco e meia, lá veio ela de novo, acompanhada de vento forte. Esperamos um intervalo e saímos para o estádio. Acho que muita gente optou por evitar o horário de rush porque o trajeto foi até mais rápido do que o acontece normalmente. Quando chegamos, a chuva tinha parado, mas recomeçaria no início da partida e no intervalo voltou com força de novo.

 

Não sabemos se foi pelo horário ou pela chuva, ou pelos dois, mas as arquibancadas receberam mais público quando o jogo já havia começado. Tivemos um bom público na Leste Superior e Inferior; setor Norte fechado; Sul com apenas alguns torcedores do Avaí ; e na Oeste Superior recebeu público na parte central e mais na inferior. Ao todo foram 19.075 presentes, 17.803 pagantes e renda de R$ 242.246,00.

Os próximos jogos não serão fáceis e só com apoio é que vai dar para sair do sufoco.

Facebooktwitterpinterest

Post Author: Cristina Dissat

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *