Taça Rio: Botafogo 2 x 1 Madureira

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Foi um primeiro tempo meio desencontrado, com a torcida do Botafogo pegando no pé de alguns jogadores.  Isso porque o primeiro gol foi do Madureira, com Marcinho, bem no início da partida. E sem sair gol, logo quando o segundo tempo começou, as reclamações não demoraram nas arquibancadas. Se não fosse o gol de empate (com Jonathan) tinha torcedor que ia sair sem voz de tanto gritar reclamando. Sorte dele que saiu o gol. (fotos Celso Pupo)

Depois foi a hora da torcida respirar aliviada com o gol de Kieza que virou o placar.

Bruno comemora gol durante Botafogo x Madureira realizada no Estádio Nilton Santos
Erik comemora gol com Gustavo Ferrareis durante Botafogo x Madureira

O público foi de 5.737 presentes, 3.344 pagantes e renda de R$ 82.155,00. O que a galera precisa alinhar melhor é o canto da torcida. O importante não é cada uma ter uma música e sim todos cantarem todas as vezes que precisar e juntas.

Intervalo de Jogo

A ação desta segunda-feira foi para homenagem o Dia Internacional da Mulher. Além da locução ser feminina, tivemos o apoio com a campanha #Nãosecale – o Botafogo contra o Feminicídio. No sistema de som o aviso para denunciar os abusos ligando para 180. Que possamos ver mais apoio assim ao longo do ano. Parabéns ao Botafogo pela iniciativa.

Em Cima da Hora

Não é só o torcedor que, às vezes, chega em cima da hora. Hoje foi nossa vez de pegar um grande congestionamento em um trajeto que, geralmente, é a melhor alternativa entre o Maracanã e o Engenho de Dentro.

Mas aproveitamos para conferir se só nós tínhamos passado por isso. Com o setor Norte fechado, os torcedores do Botafogo se concentraram no setor Leste e faltando cinco minutos para o início do jogo tinha fila na bilheteria. Assim como nós, o pessoal entrou um pouco atrasado.

E quando estava andando, um menino chorando muito no colo da mãe. O motivo? Queria ficar do lado do policiamento a cavalo. O jeito foi atender ao pedido e ficar por ali. Quanto tempo? Não sabemos, porque tínhamos que entrar no estádio.

Facebooktwittergoogle_pluspinterest

Post Author: Cristina Dissat

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *